Economia

Secretários de Fazenda pedem ao Congresso retorno do auxílio emergencial

O Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz) enviou carta ao Congresso Nacional com uma série de medidas para o enfrentamento dos efeitos da segunda onda do novo coronavírus. Uma das solicitações que impacta diretamente a população é o retorno do auxílio renda emergencial, que liberou parcelas de R$ 600, na sequência de R$ 300, e foi extinto em dezembro do ano passado. O benefício é direcionado a pessoas em situação de vulnerabilidade social. (VEJA A CARTA COMPLETA).

O presidente do Comsefaz e secretário de Fazenda do Piauí, Rafael Fonteles, diz que a prorrogação das medidas de apoio aos Estados é essencial neste momento de impactos da segunda onda da Covid 19. “A prorrogação do auxílio emergencial é importante, é necessária para que os Estados possam enfrentar esta segunda onda da Covid, que traz efeitos negativos maiores que a primeira onda”, afirma Fonteles. 

O pedido foi feito por meio de carta enviada nesta sexta-feira (23). Entre as medidas solicitadas está ainda a prorrogação do socorro financeiro aos estados, que foi implementado no ano passado e que, junto às outras ações, “mostraram-se fundamentais para preservar a vida, o emprego e a renda, garantiram a continuidade dos serviços públicos e aumento de oferta em áreas prioritárias, principalmente saúde e assistência social”. 

Os secretários argumentam que o número de infectados pela covid-19 voltou a crescer exponencialmente com a segunda onda e há risco de se repetir em outros estados o cenário de colapso sanitário que atravessa a cidade de Manaus (AM). Também alertam para o aumento dos gastos com saúde nos estados e que a arrecadação de ICMS não foi totalmente recomposta.

 MEDIDAS E JUSTIFICATIVAS 

– Prorrogação do estado de calamidade pública por seis meses e, consequentemente, a continuidade da EC 106, permitindo a suspensão temporária de bloqueios fiscais como o “teto de gastos” e da “regra de ouro”. Os auxílios realizados ao longo do ano de 2020 mostraram-se fundamentais para preservar a vida, o emprego e a renda, garantiram a continuidade dos serviços públicos e aumento de oferta em áreas prioritárias, principalmente saúde e assistência social. 

– Prorrogação do auxílio renda emergencial que garantiu renda à população mais necessitada e foi fundamental para, além de garantir o sustento básico das famílias, impulsionar o consumo e a atividade econômica. A continuidade de tal medida é essencial para não colocar milhares de famílias em situação de fome e desamparo social, manter o nível do consumo, evitando a paralisia da atividade econômica e, consequentemente, a arrecadação dos tributos, principalmente do ICMS, principal imposto estadual

– Suspensão do pagamento de precatórios e possibilidade de manutenção das suspensões dos pagamentos de amortização e juros de dívidas com União, bancos públicos e instituições financeiras internacionais e multilaterais, assim como das operações de crédito com aval da União, por 12 (doze) meses, a contar a partir de 01/01/2021, postergando por igual período os prazos de respectivas amortizações e pagamentos suspensos, para os estados que manifestem esse interesse.

Fonte: cidadeverde.com

Related posts

Piauí é o 6ª em devolução de cheques sem fundo no país

Moisés Costta

Petrobras anuncia que preços da gasolina poderão ficar até 15 dias sem reajuste

Moisés Costta

Chineses vão explorar 10 mil quilates de diamantes por mês no Sul do Piauí

Moisés Costta