• Home
  • Educação
  • No Piauí mesmo com mães analfabetas crianças conseguem aprender
Educação

No Piauí mesmo com mães analfabetas crianças conseguem aprender

O ministro da Educação Abraham Weintraub disse no Plenário da Câmara, durante Comissão Geral, que nem tudo no Brasil “é notícia ruim”. E nessa exceção encontra-se o estado do Piauí.

Ao tratar de acontecimentos bons no ramo da Educação no exterior, disse que “existe uma série de coisas que estão sendo feitas no Brasil que não certo”.

Como por exemplo as exceções na correlação “muito forte” entre a taxa de alfabetização das mães e o IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Segundo o ministro, “a taxa de qualidade, de sucesso no ensino da criança, no eixo vertical, sucesso da criança; no eixo horizontal, as mães. O que nós vemos? Mães analfabetas geram um ambiente para as crianças não aprenderem”.

“Só que existem exceções. Vemos que o Ceará, o Acre, o Tocantins, e, destaque, o Piauí estão deixando o quadrilátero do fracasso e estão conseguindo sair. Por quê? Porque técnicas estão sendo implementadas de forma adequada em Municípios da região, e isso gera o ganho. Então, temos, mesmo no ensino público, um universo muito diferente”, explicou.

Em outra oportunidade, o ministro enfatizou que “[nesses estados], vimos que mães alfabetizadas têm mais facilidade de seus filhos terem bons resultados. Então, vemos que, mesmo nas famílias que não estejam alfabetizadas, de pais e mães iletrados, o ato de contar uma história para o filho, de participar da educação junto com o filho traz ganhos evidentes”.

Também afirmou que “isso está na estratégia que apresentamos e vamos implementar no MEC”.

Weintraub foi convocado na Câmara dos Deputados para explicar os cortes orçamentários que vem relizando na pasta.

Fonte: 180graus

Related posts

Interno do CEM é aprovado para Ciências Contábeis em faculdade do Piauí

Moisés Costta

MEC descredencia faculdade no sul da BA; alunos devem ser transferidos

Moisés Costta

Whindersson garante ajuda a aluno que denunciou precariedade na UESPI

Moisés Costta