Eleições 2018

Hadadd: a reinvenção do Brasil

O mundo sabe que o Brasil, após a chegada do ex-presidente Lula ao poder, em 2003, passou por profundas transformações políticas, econômicas, sociais, culturais, educacionais, institucionais e nas suas relações internacionais. Foram oito anos de apogeu e de florescimento.

Foi a primeira vez que o povo pátrio chegou verdadeiramente ao poder. Foram dois governos planejados para todos os segmentos sociais da nação besteira. E todos indistintamente saíram ganhando na história.

Mas, eis, que, assim, afastava cada vez mais a viciada elite, direita e patronato midiático da manobra das rédeas do Palácio do Planalto. E com a perspectiva de Lula voltar ao comando do País, desfecharam o golpe parlamentar-constitucional-judicial que atormenta o povo brasileiro.

Mas o golpe não ficou só no golpe. O desastre foi ainda maior, pois os golpistas, neste ínterim, ainda contribuíram para desorganizar a institucionalidade do País, desrespeitar a Constituição, desmantelar as estruturas governamentais e causar desordem no direito positivo nacional.

Diante de tamanho descalabro, aproveitaram as instituições do Brasil para processar, julgar, condenar e prender Lula injustamente, ou seja, com o fim persecutório de afastá-lo da Presidência da República.

Face a tais circunstâncias, o povo brasileiro não pode confiar a qualquer um a árdua e dramática tarefa de reinventar o Brasil. Ou seja, de tirar o País da desgraça em que se encontra mergulhado e soerguê-lo ao patamar da quinta economia do planeta deixado pelo ex-metalúrgico.

Dentre os proponentes da missão, não há pessoa mais habilitada, preparada e experimentada do que o candidato petista a presidente Fernando Hadadd.

Fernando Hadadd é homem talhado pelos estudos e pelo conhecimento. A sua história pessoal mostra que passou a vida lutando por lugar ao sol, e, como todo brasileiro batalhador, teve uma experiência magnífica de, com o seu pai, ser vendedor durante doze anos no mundialmente conhecido bazar popular paulistano: 25 de Março.

Teve uma vida acadêmica impecável. Formado em Direito pela tradicional Faculdade do Largo São Francisco de São Paulo, também tornou-se mestre em Economia e, em seguida, doutor em Filosofia. Por fim, ingressou como professor de Ciência Política da prestigiosa de Universidade de São Paulo (USP).

Homem sonhador e de imensa sensibilidade, e isto ele já provou como ministro da Educação do Brasil e prefeito de São Paulo. Apaixonado pela educação quer revolucionar esse setor no seu mandato. Inteligente, ele sabe que todo povo só sai da crise, melhora a qualidade de vida e agiganta a sociedade investindo maciçamente na educação.

Assim, com todo esse cabedal acima, é o homem certo, na hora certa e para o País certo. Pois se atualmente existe desordem jurídica, é formado em Direito; se a economia está aos frangalhos, é mestre em Economia; se precisa de visão de mundo para elevar o Brasil, é doutor em Filosofia; se vai precisar de articulação política, é professor de Ciência Política. Ou melhor, é o homem mais gabaritado para tirar o Brasil do caos, da lama, do atoleiro, que os golpistas infames e trogloditas jogaram o povo.

Por Deusval Lacerda/ Portal JN

 

Related posts

Em evento de Haddad, Cid Gomes chama petistas de “babacas”

Moisés Costta

Voto em Bolsonaro elegerá o PT, diz Geraldo Alckmin

Moisés Costta

Na GloboNews, Haddad é questionado sobre caminhada com Ciro Nogueira no Piauí

Moisés Costta