Polícia

Polícia faz perícia em bilhete encontrado no quarto de advogada morta em Pedro II

O bilhete assinado em letras garrafais pelo jornalista João Paulo Mourão, irmão da advogada assassinada na cidade de Pedro II, é uma das peças no xadrez do inquérito que investiga a morte de Izadora Santos Mourão, 41 anos.

Durante a investigação, a Polícia Civil encontrou o bilhete no quatro de Izadora. O delegado Danúbio Dias, que preside o inquérito, pediu uma perícia para confirmar que o bilhete é mesmo de João Paulo. 

Na mensagem, João Paulo pede que Izadora Mourão não mexa nas coisas dele, diz para advogada cuidar da vida dela, em um tom de desavenças com a irmã. Ele encerra o bilhete pedindo para ela ler e refletir.

Veja teor da mensagem no bilhete: 

Izadora

“Não mexa nunca nas minhas coisas, sem a minha permissão e nem crie nenhuma confusão envolvendo meu nome e o da nossa mãe. 

Cuide das suas coisas, da sua vida e não crie nunca confusão desnecessária para você e para nós.
Pare de criar confusão e se prejudicar, cuide-se, esqueça a vida alheira, cuide bem dos seus filhos, procure organizar-se em sua vida.

Lembre-se que temos uma mãe já de idade e um irmão especial para cuidarmos.

Att. João Paulo Mourão


P/ Izadora
Leia e reflita

O coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Francisco Costa, o Baretta, confirmou que o bilhete encontrado foi para a perícia. Baretta conta que o jornalista João Paulo admitiu que a escrita é dele. Mas, Baretta disse que é preciso ter laudo confirmando. 

“Ele reconhece o bilhete de punho escrito, mas não nos baseamos em escrita, mas em perícia. O bilhete traz informação, mas que está encadeado com outras informações”, disse.

O advogado Nestor Ximenes, que faz a defesa do jornalista, informou que o bilhete foi escrito por João Paulo e diz respeito a um desentendimento antigo entre os dois.

“Não existe ameaça no bilhete. Ela entrou na rede social dele, e ele não gostou e fez o bilhete”, disse o advogado.

Ximenes diz que acompanha a investigação e analisa a decisão do juiz para uma possível habeas corpus. 

O advogado Mauro Júnior, que acompanha pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) disse que a Polícia já colheu vastas provas que mostram desentendimento entre os dois, além de provas técnicas confirmando a autoria de João Paulo no assassinato”, disse.

Fonte: cidadeverde.com

Related posts

Sargento vizinho de Bolsonaro e ex-PM são presos por matar Marielle

Moisés Costta

Governo Bolsonaro agora tem de explicar tráfico de droga com uso de avião da FAB

Moisés Costta

Estudante de engenharia agride árbitra durante jogo em universidade no Piauí

Moisés Costta