Política

Fala de Bolsonaro na ONU foi inadequada e sem bom senso, diz Doria

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou o discurso de Jair Bolsonaro (PSL) na Assembleia Geral das Nações Unidas, nesta manhã. Para o tucano, a fala foi “inadequada e inoportuna” tendo faltado “bom senso” ao presidente.

“[O discurso] não teve referências que pudessem trazer respeitabilidade e confiança no Brasil no plano ambiental, econômico ou político”, disse o governador após um evento em São Paulo. Doria disse também que já havia notado a “péssima repercussão” mundial da fala.

Para ele, faltaram “bom senso e humildade” a Bolsonaro, que criticou duramente os países que questionaram sua gestão da crise dos incêndios na região amazônica. Sem nomear, repreendeu o presidente francês, Emmanuel Macron, com quem teve divergências que desaguaram até em uma ofensa pessoal à primeira-dama da França.

A farpa de Doria faz parte de uma política estabelecida pelo governador para afastar-se de Bolsonaro. Ambos são presidenciáveis para a disputa de 2022, mas o tucano aproveitou-se da promoção do chamado voto BolsoDoria no segundo turno de 2018 para se eleger, por transitar em faixa semelhante do eleitorado de centro-direita.

Neste ano, contudo, ambos têm colecionado desavenças públicas, não perdendo oportunidade de atacar um ao outro. Usualmente, Doria se aproveita da incontinência verbal de Bolsonaro. Já o presidente usou dados do BNDES sobre compra de jatinhos para espicaçar o governador e, de quebra, outro presidenciável especulado, o apresentador global Luciano Huck.

Para os partidos de centro, isso fortalece Doria como um presidenciável viável para o próximo pleito, mas aliados temem que a exposição antecipada acabe se tornando um fardo –o tucano já sofreu críticas de ter usado sua eleição à prefeitura paulistana em 2016 como mero trampolim para outros voos.

Fonte: Folhapress 

Related posts

Enquanto pastores evangélicos apoiam Bolsonaro, cúpula católica lava as mãos

Moisés Costta

Deputado apresenta proposta de evitar chifres

Moisés Costta

Dr. Rey vai à casa de Bolsonaro se oferecer para ser ministro da Saúde

Moisés Costta