• Home
  • Saúde
  • Vigilância Sanitária determina recolhimento de lotes de medicamentos para hipertensão no Piauí
Saúde

Vigilância Sanitária determina recolhimento de lotes de medicamentos para hipertensão no Piauí

A Anvisa vem adotando uma série de medidas após a detecção de impurezas, chamadas de nitrosaminas, no princípio ativo “sartana”, que é um dos ingredientes utilizados na fabricação de medicamentos para o tratamento de hipertensão arterial (pressão alta). Uma das medidas já executadas pelo órgão foi a determinação do recolhimento de lotes específicos do produto, visando a proteção da saúde da população.

No Piauí, as vigilâncias sanitárias municipais estão sendo orientadas pela Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado (Divisa), através de ofício circular, informando as medidas a serem adotadas, conforme determinação da Anvisa, bem como encaminhando a lista disponibilizada onde constam os medicamentos, princípio ativo, dosagem e lotes a serem recolhidos.

Ao identificar o medicamento com o lote citado, os municípios deverão determinar imediatamente que o comerciante faça o recolhimento e comunique ao fabricante ou distribuidor, para eles retirem os produtos do comércio.

Outra medida tomada pela Divisa foi a determinação para que as distribuidoras façam a rastreabilidade e o recolhimento voluntário dos medicamentos em casos de identificação dos mesmos. As distribuidoras deverão ainda comprovar o cumprimento da ação junto a Vigilância Sanitária do Estado. “Nós vamos intensificar a fiscalização nas distribuidoras para monitorar se a determinação está sendo cumprida”, acrescentou a diretora.

A Anvisa e as autoridades sanitárias internacionais estão avaliando os medicamentos contra a hipertensão arterial com princípios ativos do tipo “sartanas”, como a losartana, valsartana, candesartana, olmesartana e irbesartana. Esses medicamentos são comumente utilizados para tratar pacientes com pressão alta, para auxiliar na prevenção de ataques cardíacos e derrame.

As impurezas encontradas nas “sartanas” são classificadas como prováveis ou potenciais carcinogênicos para seres humanos, o que significa que a exposição em longo prazo, pode aumentar o risco de se desenvolver câncer, ou seja, não há risco de saúde imediato associado ao uso dos medicamentos à base das “sartanas” contendo essas impurezas.

A preocupação com a contaminação de medicamentos é porque estes não devem trazer risco adicional aos pacientes que os consomem, uma vez que esses medicamentos devem ser tomados diariamente e, muitas vezes, pelo resto da vida do paciente.

É importante ressaltar, que os pacientes que tomam medicamentos contendo “sartanas” devem continuar usando seu medicamento, a menos que tenham sido aconselhados a parar pelo médico. Os pacientes podem consultar a lista completa disponibilizada pela Anvisa através do link  http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/4340788/Produtos+Recolhidos+v4.pdf/18b9d723-1b31-400c-950e-8df3aa35f0c2 “Caso o medicamento de uso esteja nessa lista é importante que o paciente não interrompa o tratamento e procurar o seu médico”, ressaltou, Tatiana Chaves.

Existem no mercado outros medicamentos equivalentes terapêuticos, com os mesmos princípios ativos e concentração que são substituíveis por um medicamento que teve o lote recolhido. O paciente somente deve trocar de medicamento quando já tiver o novo em mãos, pois a interrupção do tratamento da hipertensão pode produzir malefícios instantâneos, inclusive risco de morte por derrame, ataques cardíacos e insuficiência renal.

Apesar das novas informações sobre a presença de nitrosaminas em medicamentos, a Anvisa reitera que os medicamentos contendo “sartanas” são seguros e eficazes no controle do tratamento de hipertensão e insuficiência cardíaca, reduzindo significativamente o risco de derrame e infarto.


Fonte: Com informações da Ascom

Related posts

Piauí e mais cinco estados participam de projeto piloto na prevenção do suicídio

Moisés Costta

Movimentos antivacinas ameaçam saúde global em 2019, diz OMS

Moisés Costta

Audiência pública vai discutir medicina personalizada no âmbito do SUS

Moisés Costta