Saúde

Início da vacinação deve excluir quem já teve Covid-19, diz Butantan

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse na manhã desta quarta-feira (19), que casos ativos de Covid-19 devem ser registrados no Brasil até 2021.

“Como essa epidemia ainda vai durar alguns meses e seguramente atravessaremos o ano com casos ativos, então, a vacina será muito útil nesse sentido”, afirmou Covas durante uma ação de testagem em moradores da Brasilândia, na Zona Norte da capital paulista.

A região concentra o segundo maior número de mortes registradas no município, segundo dados da Prefeitura de São Paulo.

Covas também acredita que uma vez liberada a vacina, o programa nacional irá aplicar metodologia similar a da imunização contra a gripe e deverá, ao menos inicialmente, excluir quem já teve a doença ou contato com o vírus.

“Imagino que com o nível de prevalência que nós temos hoje isso não chegaria a mais de 80 milhões [doses]. Uma boa parcela da população lá no começo do ano já teria sido acometida pela infecção”, afirmou Covas.

“Até pode vacinar, não necessariamente necessita. Num primeiro momento (de vacinação), aqueles que não tiveram a infecção e, num segundo momento, aqueles que tiveram. Vamos acompanhar. Obviamente o indivíduo que já teve a infecção tem uma proteção natural, existe uma certa dúvida de isso é protetor, por quanto tempo, mas já existe essa proteção.”

O Instituto Butantan é parceiro de um laboratório para a produção da Coronavac, vacina chinesa contra o coronavírus que está em fase final de testes. A previsão é a de que o instituto receba, até o final do ano, 15 milhões de doses. Além das doses já prontas, o Instituto também receberá material para poder dar início ao processo de produção da vacina localmente.

Covas acredita que, com as doses suficientes, a campanha de vacinação possa ser concluída até a metade do próximo ano.

“Normalmente uma campanha dura de 3 a 4 meses. É um tempo que a gente tem muita história, nesse prazo, existe uma logística muito grande. (…) O Ministério [da Saúde] tem alguns projetos em andamento, com a AstraZeneca, um projeto possível com o Butantan, e a secretaria de estado, mas isso ainda não está consolidado, então isso depende muito do quantitativo de vacinas que o Ministério vai conseguir incorporar.”

Em entrevista à radio CBN na manhã desta quarta (19), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) disse que enviou ao Ministério da Saúde um pedido de investimento de R$1 bilhão para a produção da vacina chinesa.

À rádio, ele diz ter cobrado do governo federal “equidade” de investimento para as duas vacinas que estão na terceira fase de testes. O montante solicitado pelo governo paulista é o mesmo destinado à Fundação Oswaldo Cruz, que trabalha na imunização da Universidade de Oxford.

Diagnosticado com coronavírus na semana passada, Doria permanece assintomático e cumpre agenda de compromissos em isolamento doméstico.

Fonte: g1


Related posts

OMS definiu 2020 como Ano Internacional da Enfermagem

Moisés Costta

José Serra é diagnosticado com câncer na próstata

Moisés Costta

Piauí tem 17ª morte por Covid e chega a quase 300 casos confirmados em 37 municípios; veja lista

Moisés Costta