Saúde

Wellington Dias encerra atividades do Hospital de Campanha do Verdão

O governador Wellington Dias (PT) encerrou oficialmente na manhã desta quinta-feira (20) as atividades do Hospital de Campanha do Verdão, que atendida pacientes com covid-19 no Centro de Teresina. Em seu discurso de encerramento, Wellington destacou que os profissionais fizeram “além de salvar vidas”.

O petista declarou que no início da pandemia, quando foi aberto o Hospital de Campanha, o cenário era incerto, apontando que os óbitos no estado poderiam chegar a 32 mil. Conforme o boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi), 1.600 pessoas já morreram vítimas da doença no estado.

“Fico imaginando o momento que vocês viveram aqui. Havia um desafio porque os dados que chegavam, aterrorizavam. Pessoas da academia divulgavam que havia um déficit de profissionais e poderia chegar a 32 mil óbitos. A Imperial College falou em 18 mil óbitos. Qualquer cidadão piauiense, e eu na condição de governador, tive que elaborar um plano para a gente trabalhar”, declarou.

Wellington disse que de início estudou a possibilidade de colocar um hospital de campanha, mas teve que avaliar se era realmente necessário. Na época, conforme o governador, apenas cinco cidades no estado possuíam atendimento de alta complexidade.

“O plano mostrava que naquele instante a gente só tinha alta complexidade no Piauí em cinco cidades polos. Agora chegamos em 27, 28. Tínhamos uma situação em que eu tinha que lidar como governador com todas as outras doenças, as pessoas, infelizmente continuaram tendo acidentes, problemas cardíacos, AVC”, continuou o petista.

Além de salvar vidas

O governador aproveitou a oportunidade para agradecer aos profissionais de saúde que atuaram no hospital de campanha. Para Wellington os profissionais fizeram “além de salvar a vida das pessoas”.

“Vocês fizeram foi além de salvar a vida das pessoas que passaram aqui. Os profissionais daqui viraram cabeça de rede para todo o Piauí, na elaboração de protocolos voltados para o uso dos medicamentos”, afirmou.

“Quem não se lembra da discussão se usa cloroquina ou não usa cloroquina? Graças a Deus o Piauí desde o início tomou a iniciativa de acreditar na ciência. Não, quais são os medicamentos que a ciência conhece. Vamos colocar à disposição, é o médico que decide, os exames que vão subsidiar para a realidade de cada paciente. Além dos protocolos que diziam o que que tem de efeito colateral, qual é a dosagem adequada, o que leva a risco”, seguiu Wellington.

Trabalho integrado

O governador disse ainda que está trabalhando de forma integrada com o Governo Federal, com o Ministério da Saúde, Congresso Nacional e com setores privados para garantir a vacinação da população quando a vacina da covid-19 for liberada.

“Estamos agora todos empenhados, eu como governador, consciente como minha obrigação como líder, estou trabalhando junto com o Governo Federal, com o ministro da Saúde, o Congresso Nacional, integrado com o setor privado, com outros governadores e municípios para que a gente possa estar preparado para o momento que nos tire dessa crise, com a chegada da vacina. Graças a Deus temos seis laboratórios avançados e temos que nos preparar para isso e até lá manter os cuidados”, finalizou.

Fonte: GP1

Related posts

Movimentos antivacinas ameaçam saúde global em 2019, diz OMS

Moisés Costta

Pacientes de Covid-19 tratados com plasma têm dobro de chances de sobreviver, revela estudo

Moisés Costta

Mandetta é contra ensino a distância na Enfermagem

Moisés Costta